Vida ao Mar
Vontade de Te Amar

Se eu quisesse escrever
Uma bela poesia
Para ti minha querida
Pode crer
Assim faria

Porém o tempo passava
E eu envelhecia
Assim como nosso amor
Que tu disestes
Nada valia

As palavras
Por ti proferidas
Me provocaram certa agonia
Pois para mim
Elas não passam
De tamanha ironia

Que me amavas
Tu dizias
Me acompanhavas
Para onde eu ia
Não media esforços
Para demonstrar
Que me queria

E de hora para outra
Dizia-me
Que de todos os nossos momentos
De alegria
Tu se arrependia
Graças a tamanha mentira
Que um certo conhecido proferia
Sobre mim e certa guria

Não te desejo nenhum mal
Pelo contrário
Desejo-te a mesma alegria
Que sente um peixe
Ao de um aquário ser tirado
E em um grande rio despejado

Onde não há barreiras
Para atrapalhar o seu nado
Assim como fui eu
Enquanto seu namorado

Espero que seja feliz
Assim como são os bichos
Quando com São Francisco de Assis

Pois agora tu és livre
Para cuidar do teu próprio nariz

Cuidar de si sem se preocupar
Com aquele que tanto amor quis te dar
Boa vida em seu rio
Seguirei eu em meu mar
Onde tenho muito a desbravar
E outros peixes encontrar

Porém admito eu
Tu não sabes como ainda é grande
Minha vontade de te amar...

© PAOLO VALLINARI 2020