Basta!

Oh diabos!
Concentro-me em nada!
Falso amigo me olha
Provavelmente com a ideia
A meu respeito equivocada!

Que se dane!
Importo-me com mais nada!
Que repetições sejam rimadas!

Uma palavra aqui escrita
Não será modificada!

Afinal, quem importa-se com o que sinto?
Ou apenas julgam-me
"Gozam com o meu próprio pinto?"

De minha vida fazem palhaçada!
Chega!
Basta!

Não mais importar-me-ei
Com a palavra pronunciada
Pois serei eu quem agora
Colocará fogo na barraca!

O que não aceito mais
É a minha vida
Pelos outros ser guiada
Sendo que sou eu o dono e portador
Dessa grande palhaçada!

Que se dane como ela é!
Se é clara
Ou se é mulata

E quem se por em meu caminho
Que não tenha medo de levar porrada!
Pois não confio em mais ninguém
Muito menos na mulherada

Que se dane no que acredito
Já não creio em mais nada

 

© PAOLO VALLINARI 2020